segunda-feira, 20 de abril de 2015

Exigimos a construção dos viadutos em sarandi-Pr senhor Governador!



A Associação de moradores do Jardim Panorama e Independência II participou de uma reunião na  Viapar que  e responsável pela construção dos viadutos na  Avenida Colombo em Sarandi o engenheiro Egilson da Mota foi quem nos recebeu.
Discutimos em primeiro sobre os viadutos da Avenida Borsari Neto e Avenida Londrina segundo a VIAPAR Falta a assinatura do Governador em um documento Liberando a obra e que os viadutos só serão feitos apos esta assinatura, diante desta informação a associação chamará uma reunião com as demais entidades para cobrarmos o governo do estado sobre esta obra!
Discutimos em seguida a passagem da Avenida Rio de Janeiro com a Avenida Colombo, onde o Engenheiro da Viapar Sr. Egilson da Mota disse que a principio essa era a ideia de fechar o cruzamento porque o mesmo não tinha nescidade devido a outras passagens mas que iria atender o pedido dos moradores e que o cruzamento da avenida Rio de janeiro Ficará aberto como está. Nos deixamos bem claro que a população já se posicionou e não vai admitir a retirada deste cruzamento! 
Questionamos a possibilidade da passagem de pedestre em uma passarela ligando a Avenida Rio de Janeiro ao Jardim Europa isso sera discutido pela diretoria da Viapar e associação encaminhara o pedido também para p DER-PR órgão responsável pela liberação!    
E por ultimo foi debatido sobre a saída do Jardim Panorama pela rua José Fernandes que dá acesso a Maringá á um redondo no local onde o congestionamento e acidentes são frequentes, a associação de moradores pediu para que fosse solucionado este problema colocando vias mais largas e no mesmo sentido de trafego ( hoje a vinda e a ida se cruzam num mesmo ponto facilitando acidentes) a engenharia se comprometeu em estar até o fim deste mês no local juntamente com membros da associação buscando uma saída viável para a solução deste problema! 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

telefones cortados, uniformes e matérias faltando! Sarandi-Pr



As escolas municipais estão sem Internet e sem telefone a única saída encontrada pelos funcionários são seus telefones particulares! 

Não podemos esquecer dos kits escolares e uniforme que não foram entregues o caos se alastra na educação de nosso município! 

Cadê os vereadores de nosso município que deveriam zelar por nossas crianças e pelo futuro de nossa cidade!


O COMITÊ MARINGAENSE DA CAMPANHA PERMANENTE CONTRA OS AGROTÓXICOS E PELA VIDA CONVIDA PARA A JORNADA UNIVERSITÁRIA EM DEFESA DA REFORMA AGRÁRIA.



A Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária da Universidade Estadual de Maringá tem o objetivo de promover a reflexão no ambiente acadêmico sobre a urgência da Reforma Agrária e denunciar a violência no campo. 
O Abril Vermelho, nome dado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra às suas atividades de ocupações e atos em prol da realização da reforma agrária ocorridas em todo o mês de abril, tem como objetivo lembrar um dos vários atos de violência sofridos pelos camponeses, mas principalmente do “Massacre de Eldorado dos Carajás”, ocorrido em 17 de abril de 1996, no Pará.  Pelo ocorrido, o dia passou a ser lembrado internacionalmente como o “Dia de Luta Camponesa” em homenagem a todos e todas que tombaram na luta pela terra e pela democracia no Brasil e no mundo!
Diante de tantas atrocidades cometidas contra os movimentos sociais no passado e atualmente, criminalizando suas lutas, negando seus direitos e ignorando suas reivindicações, a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária da UEM, traz a memória e apoia a luta no campo por meio de diversas atividades realizadas na Universidade e fora dela. A promoção se dá por diversos órgãos de pesquisa e extensão, assim como por entidades de base sindicais e estudantis e é parte da agenda da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.

Nesta sexta-feira, dia 17, próximo à cantina dos quiosques, em frente à Tulha, estará ocorrendo uma atividade cultural que homenageia os mortos no massacre de Eldorado. Também haverá exposição de documentários, fotos,  mesa de debates, místicas/apresentações artísticas, além de feira de produtos agroecológicos e da reforma agrária. Convidamos toda a comunidade acadêmica e pessoas interessadas no debate a participarem desta atividade.

A Jornada Universitária terá sequencia dos dias:
29/04 às 19h30, campus de Cianorte: "Educação do Campo e Reforma Agrária". Convidados: prof. Dr. Fernando Martins (UNIOESTE-Foz do Iguaçu), reprsentante da Direção Estadual do MST/PR

30/04 às 19h30 - auditório do Bloco I-12: O campo da Educação do Campo". Convidado: prof. Dr. Fernando Martins (UNIOESTE-Foz do Iguaçu)
 Confira a Programação:

Data: 17 de Abril de 2015
Hora: 09:00h
Local: No caminho da Biblioteca em direção ao Bloco G34 da UEM – em frente à Tulha!

09h: Abertura com Cerimonial da UEM. Autoridades e Convidados.

09h30m: Mística de Abertura – Escola Milton Santos do MST e Abaecatu.

09h50m: Vídeo Documentário Massacre de Eldorado de Carajás e Reforma Agrária

10h20: Mesa de Debates;
·       MST do Paraná – 15m
·       Outros – 5m cada! Máximo de 5 intervenções!
·       Abertura debate – 5 intervenções de 3m.

11h30m: Apresentação do grupo Maracatu Ingazeiro e anúncio da restauração dos Totens com a Presença do Artista Autor Jorge Pedro (junto aos mesmos) fora da Tenda!

12h00m: Intervalo Almoço.

14:00h: Cine Reforma Agrária: Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida Maringá – Documentário: O Veneno Está na Mesa II.
(completar programação)

quarta-feira, 1 de abril de 2015

"Sou contra a redução da maioridade penal e a favor do aumento da maioridade escolar. Lugar de criança é presa na escola".



"Sou contra a redução da maioridade penal e a favor do aumento da maioridade escolar. Lugar de criança é presa na escola". Na semana em que a Câmara discute a questão da maioridade penal, o poeta Sérgio Vaz dá sua contribuição ao debate!


LUGAR DE CRIANÇA É PRESA NA ESCOLA.
Sou a favor do aumento da maioridade escolar.
Isso mesmo, lugar de criança é presa na Escola (das 8h às 17h) e sendo torturada por aulas de Matemática, Português, Ciência, Música, Teatro, Geografia, Química, Física… Ou tomando banho de sol enquanto fazem Educação Física.
Quando elas começarem a criar asas, trancá-las na biblioteca para aprenderem a lapidar sonhos.
Nessa cadeia os professores com super salários, super treinamento, super motivados não deixarão nada, nem ninguém escapar da castigo da sabedoria. Serão tempos difíceis para a ignorância.
Depois de cumprirem pena e se tornarem cidadãos terão liberdade assistida… Pelos pais orgulhosos.
Sérgio Vaz”

51 anos do golpe militar de 1964:




- Punição aos torturadores e assassinos da ditadura militar! 
- Desmilitarização da PM!

Vaza novo projeto de Richa para confisco de R$ 8 bi da Previdência; servidores cogitam retomar greve!


alep2
O anteprojeto de reforma de previdência do governo do estado que vazou na semana passada está recebendo duras críticas dos servidores de diversas áreas do governo. Os sindicatos de professores das universidades estaduais já estão se mobilizando para a retomada da greve encerrada há poucos dias. A APP-Sindicato tem assembleia geral marcada para dia o fim de abril.
O envio do projeto do governo para a Assembleia Legislativa foi adiado de ontem (31) para a próxima segunda-feira (6). Há quem duvide que o projeto saia. Mas se for apresentado nesses moldes, uma nova crise política deve se instalar no governo estadual.
O texto do anteprojeto propõe transferir servidores do Fundo Financeiro para o Fundo Previdenciário que tenham ingressado após 31/12/2003 e também aqueles que contarem com idade igual ou superior a 73 anos.
Esta segregação de massas atingiria aproximadamente 33 mil servidores e desobrigaria o Estado deixe de depositar algo em torno de R$ 143 milhões mensais. Há outros pontos que desagradam os servidores, como a criação do complementar e a formatação do conselho paritário de administração do fundo de previdência.
Ou seja, a essência continua sendo a mesma do projeto anterior — que era confiscar de uma vez R$ bilhões da poupança previdenciária dos servidores –, mas a ocupação da Assembleia, em 12 de fevereiro, salvou a Paranáprevidência. Só que agora, em vez de confisco único, serão “sacados” os recursos em prestações mensais…
Os deputados da oposição na Assembleia já manifestaram os pontos de discordância ao líder do governo, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB). Mesmo sem atender à oposição, o governo ainda teria maioria para aprovar o projeto. Resta saber se a base do governador está disposta a repetir o mico do “camburão” e se Beto Richa vai arriscar o pescoço novamente atiçando os sindicatos.
A greve de fevereiro mostrou que os servidores não estão para brincadeiras.

Fonte http://adunicentro.org.br/novo/?p=6980

quinta-feira, 19 de março de 2015

Tudo mudou no mundo. Menos a mídia capitalista!


“Eu conheço ele [Luiz Abi] do governo”, entrega advogado da liderança de Beto Richa na Assembleia

Imagens capturadas da RPC TV (Globo).

O advogado da liderança do governo na Assembleia Legislativa, Marcello Alvarenga Panizzi, “entregou” nesta quarta-feira (18) o lobista Luiz Abi Antoun ao afirmar que o conhece do governo.

O Palácio Iguaçu vinha trabalhando na linha de “distanciar-se” do primo de Beto Richa (PSDB), preso há três dias pelo Gaeco, acusado de fraudar licitação de R$ 1,5 milhão no governo do estado.
“Eu conheço ele [Luiz Abi] do governo”, disse o advogado, que foi gravado pela câmera da RPC TV (Globo).
O parente de Beto Richa foi preso na segunda-feira (16) na Operação Voldemort, em Curitiba. Há suspeita de que Luiz Abi esteja envolvido em outras fraudes, inclusive aquela deu prejuízo de R$ 500 milhões à Receita Estadual.
Promotores do Gaeco teriam em seu poder “várias horas” de gravação de conversas do “brimo” que, segundo deputados governistas, com potencial para derrubar o governo tucano.
Será que o juiz do caso Voldemort vai se mirar no exemplo do juiz federal Sérgio Moro ou vai “afrouxar a tanga”, como se diz nos meios políticos? fonte Esmael Morais

Os paladinos da moral e da justiça atolados até o pescoço em corrupção?



Ministério Público do Paraná (MP-PR) apresentou à Justiça nesta quinta-feira (10) uma ação em que pede aos deputados Nelson Justus (DEM) e Alexandre Curi (PMDB) a devolução de R$ 5,8 milhões aos cofres da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Os dois ex-dirigentes da Casa - presidente e primeiro-secretário, respectivamente - são acusados de improbidade administrativa em função da contratação indiscriminada de funcionários pela 1ª Secretaria entre os anos de 2007 e 2010, segundo nota distribuída pelo órgão.
A acusação contra os deputados é sustentada pela Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público, do MP-PR. Segundo a investigação, realizada a partir da série de reportagens Diários Secretos da Gazeta do Povo e da RPCTV, os servidores eram contratados para cargos que não eram de chefia, direção ou assessoramento superior, como determina a Constituição Federal.

Entre fevereiro de 2007 e abril de 2010, teriam passado pela 1ª Secretaria 541 pessoas, sem controle sobre local e horário de trabalho. Alguns servidores da 1ª Secretaria, inclusive, foram cedidos informalmente a outros setores da administração pública, segundo o MP-PR.
Os promotores afirmam que houve uma elevação significativa no número de servidores comissionados na 1ª Secretaria no primeiro mês de gestão dos deputados em fevereiro de 2007. O número saltou de 22 para 42, atingindo o ápice em novembro de 2009, quando a 1ª Secretaria abrigava 378 servidores comissionados.
Outra ação
O MP-PR informou que deve apresentar à Justiça mais uma ação nesta semana envolvendo a contratação de servidores acusados de não trabalharem. Os chamados funcionários “fantasmas” estariam relacionados às famílias Vosilk, Bordignon e Schabatura. Neste caso, os promotores devem pedir o ressarcimento de cerca de R$ 25 milhões aos cofres públicos.
Além de Justus e Curi, o MP deve acusar nesta ação os então servidores da Alep Abib Miguel (Bibinho), José Ary Nassif e Claudio Marques da Silva.
Esta acusação soma-se a outras já levadas a Justiça envolvendo funcionários fantasmas, em que integrantes das famílias Leal de Matos, Bastos Pequeno e Gbur – Oliveira são acusados de serem contratados pela Alep sem prestar serviço. fonte Gazeta do Povo

Não vamos sair das ruas! 13 e 15 de março: os dois lados da trincheira!


Em 13 de março, a partir da acertada iniciativa da CUT e com o apoio decisivo de movimentos populares nossos parceiros (como o MST, MAB, Levante, CMP e tantos outros), além da UNE e CTB, cerca de 200 mil trabalhadores da cidade e do campo, jovens combativos e militantes de esquerda, saíram às ruas de norte a sul do Brasil.

Em São Paulo, debaixo de uma chuva torrencial, ocorreu a maior manifestação com dezenas de milhares de participantes que, como em outros pontos do país, levantavam claramente suas propostas e reivindicações com base no “tripé”: defesa dos direitos dos trabalhadores (abaixo as MPS 664 e 665, não ao PL 4330), defesa da democracia (corrupção se combate com reforma política e essa se faz com Constituinte, como diziam as resoluções da Executiva e Direção nacional da CUT) e em defesa da Petrobras, patrimônio do povo ameaçada de privatização e da perda do controle do Pré-sal na esteira da Operação Lava Jato.

O 13 de março, com a CUT à cabeça, forneceu um ponto de apoio para a resistência popular à ofensiva da grande mídia, da direita e da oposição golpista, que vinham há meses preparando e convocando os atos de 15 de março! Ponto de apoio essencial para enfrentar a situação de aguda crise que atravessa o país, apenas quatro meses depois da vitória eleitoral de Dilma no polarizado 2º turno das eleições presidenciais de 2014.

Superamos todos os obstáculos

Não faltaram obstáculos a serem superados para o êxito do 13 de março. Desde pressões para não reagir à ofensiva da direita, passando pela manipulação dos jornalões para descaracterizar a nossa pauta, até setores que se dizem de esquerda e se negaram a participar dos atos, tachando nossa mobilização de “governista” para justificar sua linha de “nem 13, nem 15”. E isso quando nossa pauta destacava o combate às medidas de ajuste fiscal pilotadas pelo ministro Levy que atacam direitos trabalhistas!  

Todos esses obstáculos foram superados pela garra e mobilização daqueles que garantiram a derrota de Aécio no 2º turno de 2014 e que, portanto, são os que têm mais autoridade para cobrar do governo Dilma suas reivindicações e a mudança da política econômica que empurra o país para a recessão!

O 15 de março e a manipulação golpista

Já o dia 15, que reuniu num domingo centenas de milhares (e não “milhões”, como pretendeu a PM de Alckmin ao inflar o ato de São Paulo em 1 milhão) em todo o país, foi convocado por empresários, partidos de oposição (PSDB, PPS, Solidariedade, PSB-SP e outros) que não ousaram dar a cara nas ruas, preferindo manipular um descontentamento real que existe na sociedade (e não só na elite), em particular de repúdio à corrupção, para canalizar tudo no “Fora PT e Fora Dilma”.

Senão vejamos o caso de São Paulo (que a Datafolha deu 210 mil manifestantes, o que tampouco deve ser subestimado): a Assembleia Legislativa mudou o horário de posse dos deputados para que caravanas do interior viessem à Paulista; horário de jogo de futebol foi mudado, a Globo fazia propaganda diária do 15, catracas do Metrô foram liberadas, setores conservadores de igrejas católica e evangélicas se juntaram à maçonaria e patrões que tentavam obrigar seus funcionários a participar, até mesmo dispensando turnos de domingo. Enfim, tudo foi feito para engrossar o ato.

Essa ampla frente, onde não faltaram cartazes em inglês e bandeiras dos EUA, é similar ao que a burguesia pró-imperialista faz hoje nas vizinhas Venezuela e Argentina, disseminando seu ódio de classe às organizações dos trabalhadores e do povo pobre!

E a reação do governo?

Numa situação em que o governo Dilma estava acuado, o PT (partido da presidente) paralisado e com sua bancada isolada no Congresso nacional (onde “aliados” como Renan e Cunha do PMDB, envolvidos na Lava Jato, querem livrar sua cara jogando a responsabilidade pela corrupção para o Executivo federal), todos e todas que garantiram os atos de 13 de março esperavam uma sinalização positiva à sua pauta.

Infelizmente, o governo não veio a público nem no dia 13 nem no 14. Esperou os atos do dia 15 para enviar os ministros à TV para promover o “diálogo” com os manifestantes. Coisas importantes foram ditas – como o fim do financiamento empresarial de campanhas e que Gilmar Mendes deveria liberar o seu voto no STF sobre o tema – mas no essencial, o Plano Levy de ajuste fiscal, o que se ouviu é que vai continuar!  

Isso numa situação em que o Plano Levy está paralisando a economia do país, junto com os efeitos da Lava Jato na Petrobras: parando as obras do PAC, os ministérios, as Universidades públicas, o FIES, o lançamento da 3ª fase do Minha Casa Minha Vida, forçando Estados e Municípios a também fazerem cortes e mais cortes nos gastos públicos! .

É isso que decepciona os trabalhadores e a juventude e joga na confusão setores populares que os reacionários golpistas tentam manipular. É essa política que tem que mudar!

O que os atos de 13 de março deixaram evidente é que o governo federal tem que voltar à pauta do 2º turno das eleições presidenciais, pois a única saída positiva para a atual crise é reatar com a sua base social.

A reforma política, com o fim do financiamento empresarial de campanhas, tem que ser tocada através da Constituinte, pois como dizíamos na campanha do Plebiscito Popular, “com esse Congresso não dá!”, e não pode o governo se prender no respeito às  instituições que estão desmoralizadas (Congresso e também Judiciário).

A última pesquisa Datafolha (18/3), que registra queda de popularidade de Dilma, registra que a do Congresso é ainda maior!

O governo tem que avançar na reforma agrária, na reforma urbana e defender os investimentos da Petrobras no Pré-sal.

Para barrar a ofensiva golpista de direita, o governo tem que se voltar para as reformas populares que mobilizam a sua base social e permitem recuperar a confiança de setores populares manipulados por seus próprios inimigos (a direita reacionária).

Todos os prazos se encurtaram.


Intensificar uma jornada de luta!

Em 7 de abril está marcada a votação do PL 4330 na forma de um substitutivo que mantém a “terceirização ilimitada”. A CUT estará em Brasília nesta data para impedir esse ataque maior aos nossos direitos.

Neste 19 de março, a CUT se reúne com as entidades e movimentos, que conosco garantiram o sucesso dos atos do dia 13, para discutir a continuidade da luta, com a certeza de que não podemos abandonar as ruas para a direita e de que é preciso forjar um calendário de atos unitários de massa até o próximo 1º de Maio, pelas reivindicações, pelas reformas populares, pela Constituinte para a reforma política e em defesa do mandato popular dado a Dilma no 2º turno – na forma, pois é um mandato legítimo, e no conteúdo que lhe deu a maioria do povo brasileiro: barrar o retrocesso!

É hora de mudar a política econômica!

Retirada das MP’s 664-665! Não ao PL 4330! Abaixo o Plano Levy!

Fim do financiamento empresarial! Corrupção se combate com reforma política e Constituinte!

Em defesa da Petrobras!
http://cut.org.br/artigos/nao-vamos-sair-das-ruas-a7bf/

quarta-feira, 11 de março de 2015

As manifestações de 13 e 15 tem rumos opostos e não apenas "motivos diferentes", como se uma fosse pelo governo Dilma e outra contra!

As manifestações de 13 e 15 tem rumos opostos e não apenas "motivos diferentes", como se uma fosse pelo governo Dilma e outra contra...basta ver o que move uma e outra. Uma diz "defesa da Petrobrás", a outra busca alimentar um movimento sorrateiro por sua privatização e a entrega do pré-sal; uma diz não ao Plano Levy (MPs, superávit, aumento das taxas de juros, cortes de verbas) a outra tem por trás aqueles que querem aprofundar este Plano indo mais longe (caso do ajuste que o Richa tentou contra os servidores); uma diz contra a corrupção reforma política com constituinte (novas instituições, fim do financiamento empresarial de campanhas, etc), a outra busca conservar as atuais instituições e fazer uma contra-reforma política. A manifestação do dia 13 é oposta à do 15 em todos os termos. E é justamente por conta desta oposição de programas que nem Dilma e nem a cúpula do PT estão afinados com o dia 13, porque pra isso seria preciso romper com o governo de coalizão com Renan, Levy, Barbosa, Kátia Abreu, Kassab, etc. A única forma de inibir o golpismo é a ameaça do povo na rua com as suas bandeiras. O resto, são as tragédias que já conhecemos. Anisio Garcez Homem 

As fotos falam!




terça-feira, 3 de março de 2015

Dispensa de alunos por falta de merenda? Tá de brincadeira né prefeito!

Será novamente a licitação?
Alunos serão liberados das escolas municipais as 15;30 motivo falta de merenda!
Os pais estão indignados devido o transtorno que esta medida acarretará! 
A educação de sarandi vai mal o prefeito trata a educação de sarandi da mesma forma que seu parceiro governador!
Falta de professores materiais e funcionários, sem dizer que materiais para as crianças não foram entregues atá hoje. Cidades vizinhas já entregaram a mais de um mês!   
Professores indignados devido o não cumprimento das promessas de campanha! 
Sem dizer que o ex secretario de educação foi cassado pelo GAECO!
E a câmara de vereadores de sarandi não cobra e não fiscaliza?

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

O Panico e a crise!

Concordo que o pais tem problemas ( Levy,Catia Abreu)   e tem quer ser solucionados,  mas vejo a cegueira se espalhando, entregar o pais para a burguesia nacional (PSDB, DEM)? Os mesmos que atacam e destroem os servisos públicos no Paraná e São Paulo.
Vejo os noticiários todos os dias o ataque as riqueza minerais de nosso pais é assustador! 
Mas entendo a fome do sistema capitalista que tem como graxa de suas engrenagens a corrupção! 
A invasão Iraque e  Afeganistão (por petróleo) é clara, não foram  em nome da democracia ( contra o terror)!
Nós temos petróleo aos milhares de barris(pré-Sal), é inocência achar que as multinacionais do petróleo (EXON, CHEVLON) não estão envolvidas na ganancia do capital estadunidense de colocar a mãos em nosso petróleo(Petrobras)!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

CÂMARA AUMENTA VERBA DE GABINETE E LIBERA PASSAGENS PARA ESPOSAS


A Mesa Diretora da Câmara aprovou hoje (25) o reajuste em diversas verbas parlamentares, incluindo a de gabinete, que passa de R$ 78 mil para R$ 92.053,00 mensais; o chamado cotão (verba indenizatória) teve reajuste de 8%; pacote de medidas aprovado pela Mesa faz parte das promessas de campanha do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a presidência da Câmara; Mesa aprovou um dispositivo estabelecendo que as mulheres dos deputados terão direito a usar passagens áreas pagas pela Casa entre seus estados de origem e Brasília 



A Mesa Diretora da Câmara aprovou hoje (25) o reajuste em diversas verbas parlamentares, incluindo a de gabinete, que passa de R$ 78 mil para R$ 92.053,00 mensais. O auxílio-moradia subiu de R$ 3,8 mil para R$ 4,2 mil.
O chamado cotão (verba indenizatória) teve reajuste de 8%, passando de R$ 27.977,26 para R$ 30.215,44 o menor valor recebido por deputados, no caso, os do Distrito Federal. O maior é destinado aos deputados de Roraima e passará de R$ 41.612,80 para R$ 44.941,62.
O pacote de medidas aprovado pela Mesa faz parte das promessas de campanha do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a presidência da Câmara. Além dos reajustes, a Mesa aprovou um dispositivo estabelecendo que as mulheres dos deputados terão direito a usar passagens áreas pagas pela Casa entre seus estados de origem e Brasília.
A Mesa da Câmara aprovou, ainda, a criação das secretarias de Comunicação e de Relações Institucionais, que serão ocupadas por deputados. Uma será encarregada da comunicação social da Casa e a outra cuidará da relação com outros parlamentos. Cunha informou que a estrutura existente na Casa na área de comunicação ficará subordinada à Secretaria de Comunicação.
“Ninguém está tirando funcionário concursado de nada. A mudança é que a TV terá de cumprir a atividade parlamentar. Ela não tem de competir com TV aberta, ter programa de chorinho. Ela tem de cumprir a atividade parlamentar”, disse o presidente da Câmara. Cunha acrescentou que não serão criados cargos para atender às duas secretarias.
Segundo ele, o impacto das novas medidas não deverá atingir 5% do orçamento total da Casa. O orçamento é de R$ 3,385 bilhões e as mudanças devem resultar em gasto de R$ 151 milhões. Cunha garantiu que as iniciativas não implicarão aumento de despesas, já que estão previstos cortes em contratos de serviços terceirizados e de informática. http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/171252/C%C3%A2mara-aumenta-verba-de-gabinete-e-libera-passagens-para-esposas.htm

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Do mito do cavalo de Troia ao mico do camburão do Traiano

Quando os deputados estaduais, vassalos de Beto Richa, decidiram aceitar a brilhante ideia do secretário Francischini de se esconderem sorrateiramente dentro de um camburão da tropa de choque para furar o bloqueio dos servidores manifestantes e entrar na Assembleia Legislativa, a piada já estava pronta, apesar do arbítrio e autoritarismo por detrás das intenções prepotentes.
O cavalo de Tróia (ou do Traiano?), possivelmente inspirado no lendário estratagema militar de Odisseu, utilizado pelos gregos da antiguidade para romper a barreira militar dos adversários, repetia-se, mas desta vez como uma farsa das mais risíveis.
Hoje, dia 20 de janeiro, o colunista Daniel Mendonça, da Gazeta do Povo, revela que um dos integrantes da bancada do camburão, sentindo a pressão dos manifestantes, que ameaçavam emborcar o “cavalo” de metal, literalmente afrouxou os esfíncteres e borrou-se nas calças. O “heroico” momento é contado desta maneira pelo colunista, supostamente reproduzindo um dos presentes ao episódio:
“Com o frouxo intestinal, um dos encurralados interrompeu a apneia para sintetizar a situação, por dentro e por fora: ‘Fedeu!’ As mulheres gritavam com uma mão no nariz, outra no celular, enquanto os homens tentavam controlar a náusea. Depois de o delegado Francischini sair do camburão em desabalada carreira, um dos signatários do pacto malcheiroso jurou de morte quem teria se borrado de pavor. Quem seria o frouxo do camburão?”
Este evento só faz ressaltar o heroísmo e a bravura dos grevistas e manifestantes diante de deputados que, inflados de auto-confiança na escolta de uma tropa de choque e na brutalidade da repressão policial sobre os servidores, achavam-se poderosos o bastante para praticar sem riscos sua vilania de pequeno grupo contra a maioria do povo do Paraná.
Se Beto Richa quer reeditar o neo-lernismo no Paraná, acentuando-o em seus aspectos mais destruidores em nome das maiores ganâncias do mercado, saiba que entre a luta contra a venda Copel e as de hoje contra o seu tratoraço, existiram as jornadas de junho de 2013, quando milhões exigiram nas ruas novas e mais representativas instituições políticas.
Por fim, para não perder a piada, recomendamos que o governador e seus assessores mais diretos não insistam em submeter os “seus” deputados a novos constrangimentos tentando votar anti-democraticamente a todo custo o seu pacote de maldades. Avisamos que a alternativa do uso preventivo de fraldas descartáveis não eliminariam o mal cheiro no ambiente .

Grande marcha em defesa da educação pública!



A greve dos(as) educadores(as) chega hoje ao décimo sexto dia. Ontem (23), o comando geral de greve reuniu-se na sede estadual da APP-Sindicato. Na pauta a organização do ato deliberado no Conselho Estadual da entidade.
Será uma grande marcha em defesa da educação pública, que deve reunir mais de 30 mil pessoas. Toda a sociedade está sendo convocada para este momento.
Haverá dois pontos de concentração, com roteiros iniciais distintos. As duas caminhadas se unem na Praça Tiradentes:
1. Praça Rui Barbosa – educadores(as) de Curitiba e Região Metropolitana– concentração a partir de 8h30, seguindo até a Secretaria da Fazenda, Praça Tiradentes e finalizando no Centro Cívico.
2. Praça Santos Andrade – caravanas do interior e litoral – concentração a partir de 8h30, trajeto segue pela Av. Marechal Deodoro, Av. Marechal Floriano, Praça Tiradentes e finalizando no Centro Cívico.
Nova reunião de negociação: ontem(23) no final da tarde, a APP-Sindicato foi convidada para uma nova rodada de negociações com o governo. A reunião será realizada nesta quarta-feira(25), às 10h, no Palácio Iguaçu. Participam da reunião, além de representantes do governo, integrantes da direção estadual do sindicato e do comando estadual de greve.
Confira o que ainda está pendente na pauta da greve: clique aqui
http://www.appsindicato.org.br/Include/Paginas/noticia.aspx?id=11062

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Parece que ninguém quer falar do assunto HSBC?

A existência de milhares de contas bancárias de sonegadores, corruptos, traficantes, empresários, banqueiros e ditadores no HSBC, denunciada recentemente por um grupo de veículos de comunicação da Europa e dos Estados Unidos, não é uma exceção, nem na história dessa instituição nem no mundo bancário. O dinheiro do tráfico de drogas e de armas, de corrupção e até mesmo do terrorismo internacional circula no sistema financeiro legal com desenvoltura muito além do imaginado.
O maior vazamento bancário da história, de cerca de 30 mil contas do HSBC na Suíça com 120 bilhões de dólares em depósitos realizados entre 2005 a 2007 por clientes criminosos e sonegadores, foi divulgado pelos jornais The GuardianLe Monde, a BBC e o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos no começo deste mês. A instituição financeira forneceu contas para parentes de ditadores, indivíduos envolvidos em escândalos de corrupção na África, figuras da indústria de armas e empresários corruptos.
Celebridades como o piloto Fernando Alonso, o cantor David Bowie, o rei Abdullah II da Jordânia, o ator John Malkovich, o jogador de futebol Diego Forlán e os banqueiros Edmond Safra e Emilio Botin figuram na lista de correntistas com mais de 6 mil nomes de brasileiros. A filial suíça do banco ajudou a sonegar impostos e a ocultar milhões de dólares em ativos, distribuídos em pacotes não rastreáveis.

Marx já adiantava que o capitalismo tende a destruir a si mesmo em seu processo de expansão e acumulação. 
selvageria das relações capitalistas só leva à destruição, desemprego, pobreza e desigualdades sem limites!

Placar da luta!


Beto Richa chamou os professores de baderneiros!

Beto Richa chamou os professores de baderneiros. Não explicou porque ele, governador reeleito em primeiro turno, recuou diante da baderna.
Esse rapaz tem uma curiosa noção do significado da palavra ordem. Promove a maior desordem nas finanças públicas, na educação, na saúde, na segurança; subverte a ordem constitucional ao manietar o Legislativo e acha que quem se levanta contra isso tudo é desordeiro. Roberto Elias Salomão


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Vitoria do povo! Vitoria das trabalhadores!

Foi retirado o pacotaço mas professores continuam em alerta!
Vitória dos professores e servidores do paraná!
 A luta venceu mais uma batalha.
O pacote de maldades foi retirado da pauta da Comissão Geral.
A luta continua.
Precisamos continuar atentos.
É fundamental permanecermos unidos e vigilantes.

Os direitos dos trabalhadores não se meche!

Praça de guerra a assembleia Legislativa!. Beto Richa o novo Alvaro Dias do Paraná!

Pela informação que chegou a pouco noticia, depois de confronto e bombas de efeito moral e violência desnecessária por parte do governo Beto Richa e resistência do povo a sessão foi suspensa! 


Escola Municipal Criança esperança Sarandi Paraná (CAIC) abandono ou descaso?

Escola criança esperança no CAIC são traves na quadra quebradas, caixa de energia expostas oferecendo risco de vida as crianças, escada com o corrimão quebrado escadas com arame expostos portões quebrados quadra muito risco para criança principalmente entre 4 e 6 anos uma vergonha para o município!
Esperamos uma ação da prefeitura quanto esta situação dizem os pais! 










Federação das Indústrias do Paraná, avaliou como uma irresponsabilidade o pacote de reajustes tributários proposto pelo governador Beto Richa (PSDB).


O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Luiz Campagnolo, avaliou como uma irresponsabilidade o pacote de reajustes tributários proposto pelo governador Beto Richa (PSDB). Nesta segunda-feira (8), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa volta a analisar os projetos de lei que foram apresentados pelo Executivo como um mecani
smo para alavancar o caixa do estado.
O conjunto de medidas, que ficou conhecido como “pacotaço”, envolve, por exemplo, o reajuste do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) em 40%, o aumento de 28% para 29% da alíquota do Imposto sobre a Circulação e Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a gasolina, o reajuste das custas judiciais – proposto pelo Pode Judiciário –, o aumento do desconto da previdência no salário dos inativos.

Diante da repercussão ruim, em especial, ao se considerar o impacto na composição do preço de alimentos da cesta básicaRicha anunciou que irá publicar um decreto para anular o aumentona alíquota de ICMS destes alimentos, além de manter a isenção do imposto para empresas enquadradas no simples.
 “O impacto sobre o consumidor, que é o primeiro afetado, é indiscutível. Ele é muito alto”, disse Campagnolo. Ele destaca que os salários dos trabalhadores não serão corrigidos na mesma proporção, e o peso do reajuste tributário será perceptível nas compras de bens de consumo imediato ou em outros setores como o de eletrodomésticos.
Quanto ao setor industrial, de acordo com o presidente da Fiep, o impacto será entre 20% e 30%. Segundo Campagnolo, desde 2010, a receita do Executivo aumentou em mais de 50%, porém, as despesas subiram ainda mais. “Naquele período em que tudo estava indo muito bem, nada foi olhado no sentido de fazer os ajustes que o estado deveria fazer. Então, de certa forma, agora, trazer a conta para o consumidor, trazer a conta para a produção chega a ser uma irresponsabilidade”.
Campagnolo acredita que as medidas sugeridas pelo Governo do Paraná vão na contramão da intenção de arrecadar mais. Ele argumenta que a minirreforma tributária feita, em 2008, pelo então governador Roberto Requião, implicou redução de impostos e tributos para 95 mil produtos. “O interessante é que a arrecadação, naquela oportunidade, em vez de cair, subiu. Tem uma lógica de que quando os impostos baixam, a arrecadação sobe. Então, aqui a gente está indo no contrassenso no sentido de arrecadar mais”, disse o empresário.
Como consequência direta, Campagnolo acredita que as compras via internet devem subir e os estados vizinhos devem ser beneficiados. “A gente fala tanto em segurança jurídica e isso o que está acontecendo aqui é uma insegurança jurídica. Não só os novos estabelecimentos, os pequenos, médios e os grandes, fizeram planejamento tributário. Isso também vale para as indústrias. Quando você faz um movimento como esse, na ânsia de arrecadar mais, você, imediatamente, joga tudo isso no lixo”.
Campagnolo fez uma associação entre a contabilidade das indústrias e a do poder público. Disse que em momento de dificuldade, deve-se se ajustar o caixa, cortando despesas ao invés de recorrer ao mercado.
Também nesta segunda-feira, empresários têm uma reunião com o governador e com o presidente do Legislativo estadual, deputado Valdir Rossoni (PSDB). A intenção é convencê-los a não seguir com o “pacotaço”, pelo menos, neste momento.

Para o Executivo estadual, as mudanças enviadas à Assembleia são essenciais. O Governo do Paraná argumenta que as alterações são necessárias para que os programas e investimentos propostos sejam cumpridos, dando maior efetividade e eficiência na prestação de serviços públicos. O governo pretende ter todas as medidas aprovadas antes do recesso parlamentar, no dia 17 de dezembro. Caso sejam aprovadas, os novos impostos entram em vigor em abril de 2015